Menu de Navegação

Caminho de Navegação

Página que exibe uma única notícia

JFSC apresenta iniciativas e projetos de sustentabilidade em encontro do CJF

Com a apresentação de uma iniciativa institucional e três práticas de sustentabilidade, a Justiça Federal em Santa Catarina (JFSC) está participando do Encontro com as Bases, promovido em 9 e 10 de maio pelo Conselho da Justiça Federal (CJF), em Brasília. O encontro reúne diretores de Foro e Secretaria Administrativa das seções judiciárias e integra o programa Flui JF, instituído em março para captar experiências que possam contribuir para a melhoria dos procedimentos judiciais, extrajudiciais e de administração judicial.

A abertura foi realizada quinta-feira (9/5/2019) à tarde e teve a coordenação do presidente do CJF e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio Noronha. A JFSC foi representada pela diretora do Foro, juíza federal Claudia Maria Dadico; pela diretora administrativa, Raquel Soares Bugarin Araújo, e servidores.

A iniciativa da JFSC pretende demonstrar como a opção por locação “built to suit”, ou locação sob medida, pode ser o modelo de menor impacto orçamentário para tornar viáveis futuras construções de sedes. O tema foi desenvolvido pela diretora do Foro.

Durante a manhã de hoje (10), as seções judiciárias expuseram práticas de sustentabilidade para preservação do meio ambiente. A JFSC contribuiu com os projetos de redução de custos mediante utilização de placas de energia fotovoltaica, de horta solidária e compostagem e de substituição de bebedouros.

As placas devem ter a instalação concluída até junho, na sede da JFSC em Florianópolis, e reduzirão o consumo de energia do prédio em cerca de 5%.

A horta solidária, também na Capital, criada com recursos de juízes e servidores, tem o servidor Eliseu Antonio Martins como principal responsável. O projeto resultou em destinação adequada dos rejeitos orgânicos, que são transformados em adubo, e diminuição do uso de sacos plásticos.

A substituição de bebedouros abastecidos com galões de água mineral por filtros de água da rede hidráulica do prédio, adotada nas sedes de Chapecó e Rio do Sul, gerou uma economia anual de R$ 10,9 mil.