Menu de Navegação

Caminho de Navegação

Página que exibe uma única notícia

Boas práticas na proteção à infância receberão prêmios

Encerram na próxima sexta-feira (6/9) as inscrições das iniciativas para o prêmio do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que visa a reconhecer esforços realizados para a promoção de boas práticas e garantia de direitos e atenção à primeira infância. O objetivo do CNJ é propagar trabalhos inovadores e eficazes que possam ser replicados no país. O cadastramento poderá ser feito somente neste link.

A premiação ocorrerá nos dias 2 e 3 de dezembro, durante o Seminário do Pacto Nacional pela Primeira Infância (Região Sudeste), em São Paulo. Serão premiadas as três melhores práticas em quatro categorias: Sistema de Justiça, Governo, Empresas e Sociedade Civil Organizada. Os vencedores da categoria Sociedade Civil Organizada também receberão prêmios monetários: ao 1º colocado será conferido R$ 20 mil, enquanto o segundo e o terceiro colocados receberão R$15 mil R$10 mil, respectivamente.

Práticas comprovadas

A comissão de avaliação irá analisar as ações inscritas levando em conta critérios como replicabilidade, custos de implementação, alcance social, inovação, eficácia e eficiência. A comissão poderá conferir “in loco” as práticas pré-selecionadas. Não serão admitidas inscrições cujos conteúdos sejam ideias, sugestões, teses, monografias ou estudos, tampouco projetos em desenvolvimento dos quais não seja possível comprovar aplicabilidade e resultado.

As práticas cadastradas deverão contribuir com a promoção e a garantia dos direitos da primeira infância, serem de autoria comprovada do participante, assim como já terem sido implementadas por um órgão, entidade, empresa, associação ou organização da sociedade civil há pelo menos um ano.

Os participantes podem inscrever quantas iniciativas desejarem, desde que cada uma em um formulário diferente. O responsável pela prática premiada atuará como tutor nas ações de disseminação, prestando orientações sobre as metodologias e estratégias que possam contribuir com a replicação por outros interessados.

A ação faz parte do projeto Justiça Começa na Infância: fortalecendo a atuação do sistema de justiça na promoção de direitos para o desenvolvimento humano integral, coordenado pelo CNJ e financiado com recursos do Fundo dos Direitos Difusos do Ministério da Justiça e Segurança Pública (FDD).